Uni­dade marca o Ano da Vida Con­sa­grada na Di­o­cese

O dia 2 de fe­ve­reiro foi mar­cado pelo en­cer­ra­mento do Ano da Vida Con­sa­grada e tam­bém pela con­tí­nua uni­dade en­tre os vá­rios ca­ris­mas de con­gre­ga­ções, co­mu­ni­da­des de vida e ins­ti­tu­tos se­cu­la­res na Di­o­cese de Santo An­dré. A Santa Missa de en­cer­ra­mento foi pre­si­dida pelo Pe. Frei Gil­son Mi­guel Nu­nes, OFM­Conv., di­re­tor es­pi­ri­tual para vida con­sa­grada — e ou­tros sa­cer­do­tes con­ce­le­bra­ram.

Se­gundo Pe. Frei Gil­son, com o Ano da Vida Con­sa­grada, foi pos­sí­vel mos­trar a be­leza da Igreja pe­los re­li­gi­o­sos e lei­gos con­sa­gra­dos, es­pe­ci­al­mente em even­tos como o Sa­rau da Vida Con­sa­grada, o 1º Sim­pó­sio Te­o­lo­gal so­bre a Vida Con­sa­grada e Vi­gí­lia em Me­mó­ria dos Már­ti­res da Vida Con­sa­grada, en­tre ou­tros. “A vida con­sa­grada se diz res­peito a toda Igreja. É um dom para toda a Igreja. Pu­de­mos ex­pe­ri­men­tar este so­prar do Es­pí­rito atra­vés de vá­rios mo­men­tos que vi­ven­ci­a­mos neste ano”, fri­sou o re­li­gi­oso.

Pe. Frei Gil­son ainda res­sal­tou que o Ano da Vida Con­sa­grada aju­dou a di­mi­nuir as dis­tân­cias en­tre os con­sa­gra­dos. “Acre­dito que um fruto que po­de­mos ofe­re­cer a Je­sus e ao mesmo tempo sa­bo­re­ar­mos foi a ten­ta­tiva de es­tar­mos mais per­tos uns dos ou­tros. Nos co­lo­ca­mos jun­tos para ou­vir o que Es­pí­rito nos di­zia. E quanto cres­ce­mos, quanto apren­de­mos, quanto amor, quanto do­a­ção, quanta pai­xão pela mis­são. Um diá­logo que cres­ceu a to­dos. Este fruto po­de­mos pre­sen­ciar. Fo­mos pro­vo­ca­dos a olhar para to­das nos­sas co­mu­ni­da­des”, ex­pli­cou.

A uni­dade tam­bém foi res­sal­tada en­tre os re­li­gi­o­sos. “Foi a pri­meira vez que ti­ve­mos ex­pe­ri­ên­cia de co­mu­nhão e uni­dade mais forte. Os fru­tos que eu e mi­nha co­mu­ni­dade re­li­gi­osa per­ce­be­mos du­rante o Ano fo­ram na uni­dade e na ação. Foi muito bo­nito ver os di­ver­sos ca­ris­mas de co­mu­ni­da­des, lei­gas con­sa­gra­das e re­li­gi­o­sos tra­ba­lha­rem jun­tos. Penso que isso re­a­vi­vou a chama do amor pela Igreja que tem no co­ra­ção de cada um e tam­bém pe­los lei­gos. To­dos uni­dos pelo bem co­mum para que o Reino de Deus cresça cada vez mais”, des­ta­cou a Irmã Ta­ti­ana, da co­mu­ni­dade Dis­cí­pu­las da Mãe de Deus (Santo An­dré).

O mem­bro da Co­mu­ni­dade Sha­lom, Mer­ci­lio Mo­ri­lha Jú­nior, des­ta­cou a im­por­tân­cia do Ano da Vida Con­sa­grada para toda a Di­o­cese. “Foi uma grande ale­gria par­ti­ci­par ati­va­mente deste ano da vida con­sa­grada, ela­bo­rar di­ver­sas ati­vi­da­des para fa­zer com que este ano ga­nhasse a be­leza e di­na­mi­ci­dade pró­pria que a vida con­sa­grada tem”, disse.

O Pe. Ryan Matthew Holke, mipk, es­pera que con­ti­nue nos pró­xi­mos anos o que foi vi­ven­ci­ado. “Ti­ve­mos vá­rios es­for­ços con­jun­tos para nos­sas ati­vi­da­des du­rante o ano. Es­pero que a par­tir deste ano, o que vi­ve­mos não seja dei­xado no pas­sado, mas que te­nha con­ti­nui­dade. Co­me­ça­mos este novo mo­mento da nossa his­tó­ria com muito so­nho e muita es­pe­rança”, afir­mou.

Ao fim da Santa Missa, o Pe. José Mahon, um dos con­ce­le­bran­tes, fez o en­vio de al­guns re­li­gi­o­sos que nos re­pre­sen­tam no III Con­gresso das No­vas Ge­ra­ções da Vida Re­li­gi­osa Con­sa­grada, em Brasília-DF, de 6 a 9 de fe­ve­reiro.

Men­sa­gem

O bispo da Di­o­cese de Santo An­dré, Dom Pe­dro Car­los Ci­pol­lini, não pôde com­pa­re­cer ao en­cer­ra­mento do Ano da Vida Con­sa­grada por­que es­tava em Bra­sí­lia, em com­pro­mis­sos pela Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal dos Bis­pos do Bra­sil (CNBB), mas dei­xou sua men­sa­gem. Leia um pe­queno tre­cho da men­sa­gem do pas­tor da Igreja par­ti­cu­lar do GrandeABC:

Permitam-me di­zer que a vida con­sa­grada é si­nal dos bens fu­tu­ros na ci­dade hu­mana, em êxodo pe­las ve­re­das da his­tó­ria. So­mente vale a pena consagrar-se nesta pers­pec­tiva, pela en­trega to­tal da vida, para que to­dos te­nham vida e a te­nham ple­na­mente um dia no céu. Sem o olhar para o trans­cen­dente, para além da his­tó­ria, a vida con­sa­grada perde sua iden­ti­dade, não mais po­derá atuar na his­tó­ria com a força do Es­pí­rito, mas com as pró­prias for­ças. Por isso, é ne­ces­sá­rio pers­cru­tar os ho­ri­zon­tes da nossa vida e do nosso tempo com vi­gi­lante aten­ção. Na nossa vida pes­soal, na vida pri­vada, o Es­pí­rito nos im­pele a tor­nar um ca­mi­nho mais Evan­gé­lico, con­forme os vo­tos emi­ti­dos. É ne­ces­sá­rio não se es­que­cer do “pri­mado da vida es­pi­ri­tual” (cf. Va­ti­cano II, PC n.6)

(…) faço um apelo para que não te­nham medo, não fi­quem olhando para traz, mas vol­tem os olha­res para o ho­ri­zonte do Reino de Deus que nos chama para um novo ama­nhe­cer. Deus sem­pre pro­verá para aque­les que Ele ama: “aos seus ama­dos Ele pro­vi­den­cia o pão en­quanto dor­mem (Sl 127,2). Em nome de Je­sus Cristo, deixo a to­dos a mi­nha bên­ção de pai e pas­tor que muito vos es­tima em Cristo Je­sus”.